sexta-feira, 2 de julho de 2010

A pátria de chuteiras.

Não é verdade que temos 190 milhões de técnicos, o que temos, são 190 milhões de corneteiros(ou em tempos de África do Sul, vuvuzeleiros) durante 1 mês a cada 4 anos.
Nessa época todos vestem a camisa, tem opinião formada, mesmo sem nunca ter assistido a um jogo da seleção.
Agora, enquanto a vuvuzela dá seus últimos suspiros, o que a mídia tenta fazer, é achar culpados para a derrota e, criticar um técnico que os "maltratou" nos últimos 4 anos.
Em primeiro lugar, é uma soberba do brasileiro achar que vamos ganhar sempre, temos bons jogadores, mas copa do mundo é o torneio mais difícil que existe no planeta, existem grandes jogadores que nem sequer chegaram a disputar um torneio desse calibre.
Faço uma defesa ao Dunga que me faz voltar até 2006.
Em 2005 o Parreira montou uma equipe que jogava com uma magia poucas vezes vista no futebol atual. Foi criticado, "faltou volantes" diziam alguns, outros falavam que a preparação tinha sido muito aberta. O saldo foi Roberto Carlos como grande vilão em campo e, o treinador também "apedrejado" publicamente.
Ora, Dunga fez exatamente o oposto e, com competência, montou um time equilibrado, seu único erro foi confiar demais em seus titulares. Deveria ter levado mais um jogador criativo para o meio, para o caso de uma eventualidade como a de hoje.
Fora isso, ele fez tudo o que podia e devia ser feito, acabou com os privilégios da Globo, o que irritou muito a emissora carioca. Também era bruto nas entrevistas, mas a queixa que deve ser feita nesse caso é de educação, não de incompetência.
Agora a imprensa brasileira corre para tripudiar em cima de mais um treinador, além de achar culpados em campo, vamos a eles:
-Felipe Melo:estava fazendo uma partida irrepreensível até ser expulso, se ele não estivesse em campo o jogo teria sido 2 a 0 Holanda, ou até mais.
-Júlio César:falhou no primeiro gol, e falhou feio, mas até aí o jogo estava só 1 a 1.
-Michel Bastos:criticado até antes de entrar em campo, fez um bom trabalho marcando Robben, tomou cartão amarelo em um lance que nem falta foi.
-Kaká:é um jogador que gera grande expectativa, porém há que se levar em conta que o cara não jogava faz muito tempo, não estava fisicamente 100%, apesar de tudo realmente deixou a desejar.

Fato é que o time todo teve um apagão no segundo tempo e, apesar dos erros pontuais, não é possível colocar a derrota na conta de um só jogador, nem do técnico.


Mais vale o sem recurso malandro, que o virtuoso inocente

Gostaria de comentar aqui também, sobre o jogo do Uruguai.
Foi um jogo gostoso de assistir, com ambas as equipes indo ao ataque, em minha opinião, Ghana teve mais chances de gol, e foi mais pra cima na prorrogação, merecia ter saído com a vitória por vários motivos de jogo, além de proporcionar alegria não só para os Ghaneses, mas para todo o continente Africano, seria uma classificação inédita.
Quando eu digo que o resultado foi injusto, muitas pessoas se apressam em dizer, "não, o cara colocou a mão, foi expulso e marcado o penalti".
OK, concordo que o resultado foi licito, mas nem tudo que é licito é justo. Imagine um país sem nenhuma tradição, estádio lotado, depois de 120 minutos de jogo, um rapaz de 24 anos tem toda a responsabilidade nas mãos, não é tão simples assim.
Há quem vá dizer, o cara errou o penalti, teve sua chance e jogou fora. Tudo bem, verdade, mas existem duas coisas que me incomodam.
1-A vitória a qualquer custo, fazer uma falta, ou meter a mão na bola para evitar um gol, se torna louvável. Sugiro então à Nike que inclua no "write the future" a mãozada do Suarez.
2-O endeusamento do infrator:
2.1-Ouvi alguns comentaristas dizendo "Suarez seria o vilão e virou herói, ele estava fazendo o Uruguai perder...". Em primeiro lugar a culpa da derrota não seria dele, pelo contrário, ele tinha salvado o chute do Appiah, a culpa pela derrota jamais seria dele, porque se ele não mete a mão, a bola entraria e Ghana se classificaria, era o último minuto de jogo. Em segundo lugar, é um reflexo e último recurso(na minha opinião anti-desportivo), não existe nenhuma genialidade em tirar uma bola com a mão, a não ser que você seja um goleiro pegando uma bola indefensável, o que não era o caso.
2.2-Outra coisa que me incomoda, é essa glamourização do cara que quer a vitória a qualquer custo, da malandragem. Imaginem, salvas as devidas proporções, um empresário que tenha uma empresa e, que não pague os direitos trabalhistas de seus funcionários, depois de muita negociação, o cara vende a massa falida, decreta falência, e vai viver uma vida confortável com dividendos e lucros obtidos dessa venda. Enquanto isso, seus antigos funcionários ficam desempregados e sem ter o que fazer. Você não vê ninguém dizendo que esse empresário foi gênio, o que ele fez é licito, mas será que é justo?


Um comentário:

Bazzan disse...

esse post mostra toda a minha desenvoltura na diagramação e formatação de textos