quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Vírgula. Minha grande inimiga

Quando perguntado sobre pontuações Hemingway diria que é preciso aprender jogar golfe com os tacos convencionais antes de querer revolucionar o jogo.
Jack Kerouac reclamou que os editores colocaram muitas vírgulas em seu "On the road". Originalmente o livro foi escrito de forma insana com a ajuda de café e benzedrina. Lucien Carr arrumou um rolo de papel que ajudou Jack a não perder a linha de pensamento e foi dessa forma que ele apresentou seu original às editoras. Um grande rolo de papel.
Truman Capote diria mais tarde que Kerouac não escrevia e sim datilografava. Eu discordo.
O recém falecido José Saramago revolucionou a literatura com sua forma corrida de escrever. Parágrafos gigantescos de puro brilhantismo.
Meu professor de introdução ao jornalismo sempre briga comigo. Ele diz "não adianta falar com você precisa mais capricho na pontuação"
Porém eu nunca fiz de propósito algumas vezes eu deixo de colocar vírgulas para o texto ficar mais corrido. Outras acabo esquecendo ou errando mesmo. Acontece
Mas será que a vírgula faz tanta falta assim?

ps-Em breve colunas e notícias na www.hitburners.com. Talvez até uma charge semanal. Quem sabe novos programas de rádio com novos apresentadores.

Um comentário:

madame disse...

eu detesto ler longos textos sem pontuação. resquício das leituras em voz alta nas aulas de português do primário, com a professora chamando atenção a cada vírgula esquecida, talvez. mas é um estilo.